Vitória do transporte: aprovada Lei que ataca o roubo de cargas

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou na madrugada desta sexta-feira (20) dois Projetos de Lei que trarão mais segurança para o transporte de cargas e para o mercado de veículos em terras paulistas. O Projeto de Lei 885/2009, de autoria coletiva, traz em seu texto punições severas contra estabelecimentos que forem flagrados com produtos que sejam fruto do roubo de cargas, atacando de frente os receptadores, aqueles que movem o mercado do crime organizado contra as cargas.

“Esta é uma vitória de grande importância para o transporte de cargas brasileiro, já que é em São Paulo que acontece a maioria das ocorrências de roubo de cargas. Com esta Lei, o receptador da carga roubada, que é a raiz de todo o problema do crime nas rodovias, é seriamente atacado e temos certeza de que estamos olhando para um instrumento jurídico poderoso contra o roubo de cargas. Com esta Lei pegando em São Paulo, acreditamos que todos os outros Estados sigam o exemplo e também a façam valer em seus territórios, ajudando a nacionalizar esta medida. Agradeço a toda diretoria do SETCESP, na pessoa do Antonio Luiz Leite e de nosso vice-presidente Roberto Mira, que tiveram participação importante na aprovação desta matéria”, comenta o presidente do SETCESP, Manoel Sousa Lima Jr. O SETCESP teve participação importante na aprovação da Lei, solicitando os parlamentares que votassem a matéria com urgência e reforçando a necessidade do instrumento legal com informações sobre o roubo de cargas e o tamanho deste problema para o transporte paulista e brasileiro.

O segundo projeto aprovado é o PL o 380/13, de autoria do governador Geraldo Alckmin, que visa restringir o comércio de autopeças de veículos sinistrados ou apreendidos, por ato administrativo ou judicialmente, revertendo o quadro atual em que o Estado não consegue promover uma fiscalização mais efetiva.

Fonte.: Imprensa SETCESP

MAN vai investir R$ 13 milhões em veículos customizados

O aquecimento dos negócios com este tipo de veículo é consequência das recentes vendas realizadas para o setor público

A MAN Latin América, fabricante de caminhões e ônibus, produziu em sua planta de Resende (RJ) mais de 100 mil veículos com característica específicas (customizados) e pretende investir no próximo ano cerca de R$ 13 milhões no desenvolvimento desses produtos. O aquecimento dos negócios com este tipo de veículo é consequência das recentes vendas realizadas para o setor público. A montadora foi a maior fornecedora em compras governamentais nesse segmento em 2013.

A produção desses veículos corresponde a cerca de 20% do volume anual fabricado pela empresa em sua unidade de Resende e foi um dos pilares responsáveis pela liderança da montadora no mercado brasileiro de caminhões por dez anos consecutivos e a vice-posição em ônibus.   O cenário crescente nesse segmento fez a montadora a estabelecer uma estrutura organizacional com foco no atendimento dessas demandas dentro no conceito de “plataformas”, que conta com a interação de todas as áreas da empresa, proporcionando mais agilidade no processo de desenvolvimento, produção e entrega dos veículos.

“Fomos a primeira montadora a entregar veículos especiais, de acordo com as necessidades mais específicas do cliente e agora se tornou uma demanda indispensável. A expectativa é que este segmento cresça cada vez mais e estamos preparados para nos mantermos competitivos. Temos uma fábrica diferente, a qual nos permite flexibilizar processos e inovar em operação, além de contar com parcerias estratégicas com fornecedores para este tipo de negócio”, destaca Adilson Dezoto, vice-presidente de produção e logística da montadora.   As unidades especiais são produzidas em escalas diferenciadas na fábrica, mas alguns destes modelos já fazem parte do catálogo regular de ofertas devido ao seu sucesso no mercado, como por exemplo, o VW Constellation 24.280 6×2, modelo que iniciou sua história na década passada como veículo especial. O mercado de exportação também absorve boa parcela deste segmento. Só em 2013 mais de 800 unidades com características especiais foram embarcadas a mais de 30 países da América Latina, África e Oriente Médio. O Peru é o campeão de envios com marca superior a 700 veículos desde 2010.

Para que toda a demanda seja atendida com total garantia ao cliente, a MAN Latin America mantém a parceria exclusiva com a BMB, o primeiro centro de modificações do Brasil. A empresa está ao lado da montadora e prevê investimento de mais de R$ 20 milhões até 2014 para melhoria de processos. No local são montados componentes como segundo eixo direcional, tomada de força para equipamentos compactdores, escapamento vertical, ônibus com piso baixo (Low Entry) entre outros.

Fonte: Canal do Transporte

Governador garante parte do Rodoanel Leste pronta até março

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) garantiu ontem que, até março, “grande parte” do Trecho Leste do Rodoanel será entregue. As obras do segmento foram iniciadas em agosto de 2011 e a previsão inicial era que os 43,5 quilômetros da rodovia fossem liberados para o tráfego até o fim do primeiro trimestre de 2014. A concessionária SPMar, responsável pela construção, admite que não deve conseguir finalizar os trabalhos até março.

Alckmin assegurou que o segmento Leste será totalmente inaugurado até o fim do primeiro semestre do ano que vem. “Se em março não for entregue a obra toda, será entregue uma grande parte.” O governador salienta que a concessionária será multada se não conseguir cumprir os prazos contratuais.

Integrante da comissão de Transportes e Comunicações da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Orlando Morando (PSDB) protocolou denúncia contra o atraso no Ministério Público. A Promotoria abriu inquérito para investigar o caso. O tucano ironizou o fato de a rodovia ser aberta parcialmente. “O problema é que os trevos da Ayrton Senna e da Dutra ainda não foram iniciados. Ou seja, vai ligar o nada a lugar nenhum.”

O parlamentar classificou como ‘balela’ as justificativas apresentadas pela SPMar de que os atrasos se devem a entraves com a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a MRS Logística. Os impasses são referentes à liberação de áreas para o avanço dos canteiros de obras.

A concessionária informa que, considerando apenas os locais onde recebeu autorização para executar a construção, o avanço é de 73%. A empresa ressalta que, em março de 2011, apresentou ao Estado cronograma prevendo 5% de andamento no primeiro ano, 40% no segundo e 55% nos últimos 12 meses.

A SPMar informa que o ponto mais crítico é o entroncamento com a Rodovia Presidente Dutra, onde ainda não foi emitido Termo de Autorização de Interferência. Sem esse documento, as equipes não podem avançar os equipamentos e iniciar os serviços. A concessionária afirma que a não liberação gera custo de R$ 11 milhões por mês em razão da ociosidade de máquinas e funcionários. Para não perder tempo, a construtora garante que está fazendo sondagens no terreno – a fim de adiantar eventuais ajustes de projeto – e dando andamento às desapropriações.

Caso o atraso para a entrega da totalidade do Trecho Leste seja confirmado, a SPMar afirma que pode entregar apenas o trecho entre Mauá e a Rodovia Ayrton Senna, desde que a Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo) autorize a liberação. A empresa afirma ser a maior interessada no cumprimento do prazo, já que, depois da conclusão da construção, irá operar a rodovia e, portanto, arrecadar o valor dos pedágios.

Após a entrega, o Trecho Leste do Rodoanel irá passar por Mauá, Ribeirão Pires, Suzano, Poá, Arujá e Itaquaquecetuba. No contrato estavam previstas saídas para a asa Sul, em Mauá, e para as rodovias Henrique Eroles, em Suzano, Ayrton Senna, em Itaquaquecetuba, e Presidente Dutra, em Arujá. O Estado também planeja a construção de alça em Ribeirão Pires. A obra está orçada em R$ 2,8 bilhões, valor pago integralmente pela iniciativa privada.

As obras do Trecho Norte foram iniciadas em março e têm previsão de entrega em 2016, fechando os 177 quilômetros de anel viário que ligam as principais rodovias da Grande São Paulo.

Governo terá linha de crédito para realizar desapropriações

O governo do Estado pretende assinar com a Caixa Econômica Federal linha de crédito exclusiva para o pagamento de desapropriações em obras feitas por PPP (Parceria Público-Privada). O secretário de Planejamento e Desenvolvimento Regional e presidente do Conselho Gestor de PPP, Julio Semeghini, estima que seja necessário R$ 1,2 bilhão para as próximas intervenções previstas, como construção de hospitais e linhas de metrô.

“Hoje, grande parte dos financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) é tradicional e não pode ser usado para desapropriação. Então, o governo tem que pôr (recurso) do próprio tesouro. Não adianta liberar R$ 1 bilhão para obra se não tiver R$ 600 milhões para desapropriação”, explica Semeghini.

Apenas para a Linha 18-Bronze (Tamanduateí/Djalma Dutra), são estimados gastos de R$ 300 milhões com remoção de imóveis. A previsão é que o edital para a construção do monotrilho que ligará São Paulo a São Bernardo seja lançado ainda neste ano. O itinerário também passará por São Caetano e Santo André.

LINHA 6-LARANJA

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) assinou ontem o contrato para construção da Linha 6-Laranja do Metrô (Brasilândia/São Joaquim), que ligará a região central à Zona Norte da Capital. A obra será executada pelo consórcio Move São Paulo, formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão, UTC Participações e pelo fundo Eco Reality. O valor do empreendimento é de R$ 9,6 bilhões, sendo que R$ 8,9 bilhões serão divididos de forma igual entre Estado e iniciativa privada. A linha terá 16 quilômetros, 15 estações e passará por cinco faculdades e universidades.

Fonte.: Diário do Grande ABC 

Veja os horários para evitar lentidão nas rodovias de São Paulo no Natal

CET acredita que 2 milhões de veículos devem deixar a capital paulista. Movimento nas estradas deverá ser intenso a partir desta sexta-feira.

O motorista que pretende deixar a cidade de São Paulo para aproveitar o feriado do Natal, que será celebrado nesta quarta-feira (25), deve ficar atento ao melhor horário para pegar a estrada. De acordo com algumas das concessionárias responsáveis pelas rodovias do estado, o movimento deverá ser intenso a partir da tarde desta sexta-feira (20).

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) acredita que aproximadamente 2 milhões de veículos devem deixar a capital em direção ao interior e ao litoral neste feriado.

Veja o melhor horário para evitar o congestionamento nas estradas:

Anchieta e Imigrantes
Os motoristas que forem viajar para o Litoral Sul de São Paulo utilizando o sistema Anchieta-Imigrantes não deverão encontrar grande picos de concentração de tráfego até terça-feira (24), véspera do feriado. A companhia estima que entre 340 mil e 490 mil veículos devam passar pelas rodovias durante a semana do Natal.

Às 16h do dia 25 de dezembro, a empresa prevê um grande número de veículos no retorno à capital paulista e também grande quantidade de automóveis descendo para o litoral. Nesse horário, a previsão é que a subida poderá ser feita pelas duas pistas da Imigrantes e a descida pelas duas pistas da Anchieta, totalizando seis faixas no sentido São Paulo e quatro faixas no sentido Baixada Santista.

Ayrton Senna e Carvalho Pinto
O fluxo de veículos no Corredor Ayrton Senna/Carvalho Pinto, que liga a capital paulista à região serrana e ao Litoral Norte, deve ser intenso a partir de sexta-feira. Entre 1,2 milhões e 1,3 milhões de carros devem trafegar pelas rodovias entre os dias 19 e 25 de dezembro.

A concessionária Ecopistas, responsável pelas rodovias, preferiu não determinar horários de pico de congestionamento, já que o fluxo de automóveiss será diluído ao longo do final de semana e nos dias anteriores ao Natal  nas rodovias.

Anhanguera e Bandeirantes
Os horários de maior movimento nas rodovias Anhanguera e Bandeirantes, que ligam a capital paulista à região de Campinas e ao Norte do estado, devem acontecer nesta sexta-feira (20), das 15h às 21h, no sábado (21), das 7h às 18h, na segunda-feira (23), das 14h às 19h e na quarta-feira (25), das 15h às 23h. Segundo a concessionária Autoban, cerca de um milhão de veículos devem trafegar pelo sistema entre os dias 20 e 25 de dezembro.

Castello Branco e Raposo Tavares
No sistema formado pelas rodovias Castello Branco e Raposo Tavares, que liga São Paulo às cidades do Oeste Paulista, os horários de pico serão das 16h às 23h da sexta-feira, das 7h às 15h de sábado e entre as 16h e as 22h de quarta-feira. De acordo com a concessionária CCR ViaOeste, aproximadamente 735 mil veículos passarão pelas rodovias no feriado.

Fernão Dias
Os horários de pico na Rodovia Fernão Dias serão entre 16h e 24h de sexta-feira e das 6h às 18h de sábado. No retorno à capital paulista, os períodos de maior movimentação de veículos devem acontecer  das 14h às 24h de quarta-feira e entre as 6h e as 14h de quinta-feira. Cerca de 610 mil veículos deverão passar pela rodovia na saída para o feriado de Natal.

Régis Bittencourt
Na Rodovia Régis Bittencourt, que faz a conexão entre a capital paulista e o Sul do país, os horários de pico serão entre as 16h e as 24h de sexta-feira, das 6h às 15h de sábado e das 6h às 18h de terça-feira. No retorno do feriado, haverá maior movimentação de carros entre as 12h e as 24h de quarta-feira. A concessionária Autopista Régis Bittencourt espera um fluxo de cerca de 28 mil veículos na rodovia nos dias de saida e retorno do feriado.

Via Dutra
Pela Rodovia Presidente Dutra, que liga São Paulo à cidade do Rio de Janeiro, o motorista deve encontrar tráfego carregado entre as 16h e as 20h de sexta-feira e entre as 8h e as 12h do sábado na saída para o feriado. No retorno a São Paulo, o horário de pico será das 16h às 20h de quarta-feira. De acordo com a concessionária CCR NovaDutra, aproximadamente 265 mil veículos devem deixar a capital paulista pela rodovia no feriado.

Fonte: G1

Nova Tamoios Planalto vai operar em pista dupla nos feriados

Usuários utilizarão os 49 km de pistas duplicadas durante os feriados. Não haverá interdições totais e parciais na via entre os dias 20 de dezembro e 6 de janeiro

Nos feriados prolongados de Natal e Ano Novo (entre sexta-feira, 20 e 6 de janeiro), a nova Tamoios Planalto vai operar em pista dupla, nos dois sentidos, sem obras na pista. Entre os quilômetros 11,5 e 60,48, a rodovia vai contar com duas faixas de rolamento e acostamento por sentido. Também não haverá interdições totais ou parciais da rodovia, permitindo que os motoristas desfrutem da plena capacidade viária no período de tráfego intenso, na ida e na volta a Capital. A informação é da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), que administra a rodovia.

No período de feriados, a expectativa da Dersa é que 463 mil veículos (190 mil durante o Natal e 273 mil no Ano Novo) utilizem a rodovia, cuja velocidade diretriz retornará para 80 km/h.

Segundo a empresa, com a duplicação da pista, os retornos em nível serão fechados. Até 15 de janeiro quando terminarem as obras – o retorno delas está programado para 6 de janeiro no trecho entre os quilômetros 26 e 28 (último trecho em fase de conclusão), o fluxo será redirecionado para os retornos provisórios existentes nos seguintes quilômetros: 14; 17,3; 20; 21,85; 23,05; 29,85; 32; 35,5; 39; 51,8; 55; e 67.

Fonte: Canal do Transporte

Câmeras vão pegar em flagrante condutores transgressores

O governo quer expandir a utilização de câmeras das concessionárias de rodovias para surpreender condutores empreendendo violações de trânsito e sobrepor multas. Essa é uma das fundamentais avaliações da ação de prudência de acidentes no final do ano que foi divulgada nesta segunda-feira, 16. A providência deverá ser justaposta nas estradas paulistas.

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann informou que a ação deve auxiliar bastante, pois quando o indivíduo tem ciência de que está sendo vigiado, que recebe sanções, passa a se comportar de forma mais preventiva. A ministra ainda relatou que o governo federal agendará um encontro com as concessionárias nos seguintes dias para tratar do tema.

O conceito é que a Polícia Rodoviária Federal tenha ingresso às imagens que amontoam nos centros de domínio das rodovias conferidas. Com suporte nelas, é plausível distinguir automóveis fazendo ultrapassagem arriscada ou andando pelo acostamento. Os elementos são incididos para os atuantes na rodovia, que sobrepõem as penas.

Atualmente, as câmeras já são empregadas para aplicar penalidades aos condutores em 44 intervalos que são de encargo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

O DNIT avisou que contém 2.696 aparelhamentos eletrônicos alastrados em todo o Brasil. O fundamental deles é o radar estável, também apontado como discreto, que está nos espaços rurais e surpreende motoristas em abuso de velocidade. Nas extensões urbanas, há quebra-molas eletrônicos que promovem o cruzamento de acesso pelos pedestres, além de determinados fornecimentos contra progresso de sinal vermelho. O governo analisa que os motes cruciais de incidentes em autopistas estão encontrados em quatro Estados: Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Os dados despontam que 27% deles acontecem em espaços urbanos, com maior acontecimento em 68 cidades.

Fonte.: Notícias BR

CCR conquista concessão por 30 anos da BR-163/MS

Concessionária venceu leilão ao oferecer a menor tarifa básica de pedágio de R$ 4,38 a cada cem quilômetros rodados, com um valor de deságio de 52,74%

O Grupo CCR apresentou a melhor proposta no leilão da BR-163/MS que integra a 3ª etapa das concessões de rodovias federais. Ao oferecer a menor tarifa básica de pedágio de R$ 4,38 a cada cem quilômetros rodados, com um valor de deságio de 52,74%, a CCR assegurou por 30 anos o direito de operar toda a infraestrutura e o serviço público de recuperação, conservação, manutenção, implantação de melhorias e a ampliação da capacidade da estrada.

A concessionária será responsável por 847,2 quilômetros de extensão da BR-163/MS. O trecho, que abrange as divisas do Mato Grosso e do Paraná, representa um total de 20 municípios pertencentes ao Estado do Mato Grosso do Sul.

O lance no leilão, que contou com a participação de cinco grupos e um consórcio, foi dado por meio da CPC (Companhia de Participações em Concessões), que representa o Grupo CCR.

A previsão é de que sejam investidos durante os cinco primeiros anos de concessão R$ 3,4 bilhões, de um total de R$ 5,7 bilhões, que contemplam a duplicação completa da rodovia. Ao todo, está prevista também a construção de nove praças de pedágio.

Fonte: Portal Transporta Brasil