Governo quer que mais da metade dos carros rode com etanol

Desde 2009, o uso de etanol por parte dos consumidores em seus carros encolheu por problemas de oferta e de preço, mas o governo federal espera que nos próximos anos o etanol volte a competir de igual para igual com a gasolina, fazendo com que a metade da frota de veículos rode primordialmente com o biocombustível.

Segundo o secretário de petróleo e gás do MME (Ministério de Minas e Energia), Marco Antônio Almeida, atualmente entre 30% e 35% dos carros rodam apenas com etanol –mas esse índice pode chegar a mais de 50% nos próximos anos.

“Esperamos que o etanol seja competitivo e é isso que buscamos. Em dois ou três anos, quero até que passe isso”, disse o secretário após evento do setor petrolífero no Rio de Janeiro. “Estivemos perto disso em 2009, perto de 54%.”

O governo decidiu que, a partir de maio, a mistura de etanol anidro à gasolina vai subir de 20% para 25%. Uma safra maior de cana-de-açúcar no país deve ajudar a suprir essa maior demanda.

Almeida espera que nos próximos anos o etanol retome seu espaço no mercado nacional apoiado na desoneração da produção e na adoção de novas tecnologias, como o plantio de cana transgênica e o etanol de segunda geração.

“Estamos trabalhando para reduzir o custo de produção de etanol”, disse. “Temos que ser competitivos com cana geneticamente modificada mais resistente, com etanol de segunda geração. O governo vai continuar com redução de imposto e dando financiamento.”

Segundo a agência de notícias Reuters, um decreto presidencial deverá ser editado em abril, estabelecendo redução de PIS/Cofins para o etanol.

Fonte: Folha de S. Paulo

Anúncios

Prefeitura de Santos promete multas contra congestionamentos

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, encerrou as conversas com os terminais marítimos da Margem Direita do Porto de Santos. Toda e qualquer situação que se assemelhe àquela registrada na última terça-feira – quando as vias urbanas e as estradas de acesso ao complexo marítimo ficaram interditadas por filas de caminhões e carretas com destino ao cais – serão motivo para notificações e, posteriomente, multas.

Ao longo da última semana, caminhões que seguiam para o complexo portuário acumularam, na soma dos cincos dias úteis, 91 quilômetros de congestionamento. A decisão do chefe do Executivo santista foi anunciada após o colapso viário na Cidade, ocorrido na última terça-feira.

“A fase de diálogo terminou. Já conversamos o que tinha que ser conversado e agora vamos começar a aplicar as sanções cabíveis”, explicou. O terminal T-Grão, instalado na região de Outeirinhos, foi tido pela Prefeitura como o responsável por atribular as vias na terça-feira, recebendo caminhões graneleiros acima de sua capacidade suportada. Por isso, ele foi o primeiro a receber uma notificação oficial, com ordem de cumprimento “imediato” de readequação de demanda.

Em sua defesa, o T-Grão informou que havia alertado a Prefeitura sobre a vinda de mais caminhões do que o esperado.
Caminhões acumularam, na soma dos cincos dias úteis, 91 km de congestionamento na última semana

União

Para Paulo Barbosa, a solução para o problema deverá vir com as obras viárias na entrada de Santos, que “permitirão” fácil acesso às vias do Porto. “Com o auxílio da verba do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do Governo Federal, será possível dar continuidade ao projeto e resolver a situação”, completa.

Segundo o prefeito, é preciso ainda que os agentes envolvidos no assunto assumam suas responsabilidades e trabalhem de forma conjunta. “Precisamos unir esforços para controlar o caos”.

A Secretaria Municipal de Assuntos Portuários e Marítimos (Seport) de Santos foi colocada à disposição da Codesp (a Autoridade Portuária), de executivos e outras lideranças para auxiliar na coordenação logística-estratégica de todo o complexo. “Podemos nos unir à Companhia Docas para poder aprimorar o processo. Não podemos deixar as vias de acesso ao Porto entrar em colapso. É preciso que todos estejam cientes dos seus respectivos papeis”, complementou o titular da Seport, José Eduardo Lopes.

Fonte: Jornal A Tribuna

Trabalhadores aprovam greve contra MP dos Portos

Sindicatos portuários aprovaram indicativo de paralisação nacional para o dia 25 de março contra a Medida Provisória 595, a MP dos Portos. A decisão foi tomada em plenária realizada na noite de quarta-feira, em Brasília, entre os sindicatos filiados às três federações do setor: portuários (FNP), estivadores (FNE) e avulsos (Fenccovib). Os trabalhadores prometem cruzar os braços por 24 horas caso não haja avanços em relação às reivindicações de mudanças na MP.

A categoria reivindica a contratação de trabalhadores avulsos, escalados pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo), pelos terminais privados quando movimentarem cargas de terceiros; a manutenção da guarda portuária (que não aparece na MP); e a representação dos trabalhadores dos portos pelo sindicato do setor. Os trabalhadores também se manifestaram contra à privatização da gestão portuária, possibilidade que já existia na Lei dos Portos (8.630), revogada pela MP. Na visão deles, a MP avança na direção de privatizar os portos públicos, hoje comandados por estatais, as chamadas companhias docas.

Após paralisação de seis horas no dia 22 de fevereiro, o governo federal abriu uma mesa de diálogo com os trabalhadores. A previsão era que os resultados da negociação fossem concluídos até hoje. “Decidimos apostar na negociação. Mas se até o dia 25, não houver garantias de que nossas reivindicações serão atendidas vamos paralisar as atividades nos portos de todo o país”, disse o presidente da FNP, Eduardo Guterra, em nota à imprensa.

Fonte: Canal do Transporte

Gleisi reitera que licitação de portos começa em junho, com Santos

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, disse nesta sexta-feira que as licitações dos primeiros terminais de portos serão iniciadas logo após a aprovação, pelo Congresso Nacional, da Medida Provisória 595/2012. A ministra participou nesta manhã do programa de rádio “Bom dia Ministro”, da estatal EBC.

A ministra não disse qual a expectativa do governo para aprovação do MP, mas informou que os primeiros terminais, do Porto de Santos e no Estado do Pará, devem ser licitados em junho, com previsão de lançamento dos editais dos demais terminais “na sequência”.

A MP 595 está no Congresso desde dezembro de 2012 e tem provocado polêmica. O prazo para aprovação ia até 17 de março, mas nesta semana o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) prorrogou sua validade por mais 60 dias.

Anteontem, sindicatos portuários aprovaram indicativo de paralisação nacional para o dia 25 de março contra a MP dos Portos. A decisão foi tomada em plenária realizada em Brasília entre os sindicatos filiados às três federações do setor: portuários (FNP), estivadores (FNE) e avulsos (Fenccovib). Os trabalhadores prometem cruzar os braços por 24 horas caso não haja avanços em relação às reivindicações de mudanças na MP.

“Se não fizermos novos investimentos em portos, a capacidade estará esgotada em dois anos”, alertou Gleisi. A ministra ressaltou que os investimentos de 159 terminais portuários terão seus primeiros resultados em 2013 e 2014.

No programa de rádio, a ministra aproveitou para reafirmar o cronograma de investimento do governo no setor de logística. Segundo ele, as licitações de rodovias previstas devem ocorrer entre março e abril, os editais com novo modelo de ferrovias devem sair entre maio e junho e, em agosto, serão conhecidos editais dos aeroportos de Cofins (MG) e Galeão (RJ), com “parte considerável” dos 270 aeroportos regionais ainda este ano.

(Rafael Bitencourt | Valor)

Fonte: Valor Econômico

Câmara aprova reembolso de taxa de inspeção, na 1ª vitória de Haddad

Para vigorar, proposta tem de ser submetida a uma segunda votação; vistoria pode abranger carros de outras cidades. Sem o apoio da maioria do PSD do aliado Gilberto Kassab, o prefeito Fernando Haddad (PT) conseguiu aprovar ontem, em primeira votação, o seu projeto que muda as regras da inspeção veicular. Entre outros pontos, a proposta permite o reembolso da taxa de R$ 47,44 a quem tiver veículo aprovado na vistoria.

Também autoriza Haddad a cobrar a taxa de veículos com placas de outras cidades que circulem ao menos 120 dias por ano na cidade. Em seu primeiro teste na Câmara, o prefeito contou com 33 votos a favor e 13 contra -todos de oposicionistas declarados (PSDB, PPS, PSOL e Gilberto Natalini, do PV).

A surpresa foi o comportamento da bancada kassabista. Dos oito vereadores do PSD, só Souza Santos votou a favor. Quatro se abstiveram (Marco Aurélio Cunha, José Police Neto, Coronel Camilo e Marta Costa) e três não estavam na votação: Antonio Goulart, David Soares e a líder da legenda, Edir Sales.

Kassab e Haddad mantêm o bom relacionamento iniciado na transição, mesmo após o petista atacar a gestão anterior várias vezes no início do seu mandato. O PSD negocia cargo no governo Dilma. A oposição, que tentou adiar a votação, disse considerar o projeto um “cheque em branco” a Haddad, pois não especifica a periodicidade da inspeção (hoje é anual) nem quais empresas serão contratadas para fazer a análise de emissão de poluentes.

O que é quase certo é que a Controlar, que faz a vistoria hoje, perderá o contrato. Para emperrar a votação, a oposição apresentou substitutivo -que mantinha a taxa sem reembolso e a concessão do serviço como é hoje-, rejeitado pelo chamado “rolo compressor” governista. Sem pé nem cabeça – “Vamos nos abster para ver se o projeto melhora para a segunda votação. O projeto está sem pé nem cabeça, precisa aprimorar”, disse Marco Aurélio Cunha (PSD). Ele disse que Kassab deixou o partido livre para votar.

Além da possibilidade de descentralização do serviço, hoje nas mãos da Controlar. o que dificultaria a fiscalização, e da possibilidade de a vistoria ocorrer a cada dois anos, a oposição questionou os custos bancários para fazer a devolução. “O prefeito tinha que cumprir a promessa de campanha, mas não adianta tergiversar sobre o tema, se vai ou não tirar a empresa, se vai ser a cada dois anos. Queremos saber como ele vai fazer para não onerar os cofres públicos com a devolução”, disse Andrea Matarazzo (PSDB).

Fonte: Canal do Transporte

Compacto VW Up! virá para destronar o Gol

Em 1980, quando o Fusca ainda vendia bem, a Volkswagen surpreendeu o mercado e lançou o Gol, seu primeiro carro desenvolvido no Brasil. Ruptura semelhante deverá acontecer nos próximos meses, assim que a marca apresentar o Up! no país.

Ela tem o mesmo desenho da que será fabricada em São Paulo para assumir o posto de modelo mais barato da linha VW. O preço deverá começar em R$ 25 mil.


Compacto global da Volkswagen é marcado por linhas retas e poucos frisos; haverá opção de carroceria de quatro portas

O Up! nacional manterá as linhas retas do alemão, bem recebidas na Europa. A tampa do porta-malas toda em vidro, porém, deverá dar lugar a uma com base de aço, em razão do custo.

A cabine do Up! nacional será ligeiramente maior para acomodar melhor os passageiros do banco traseiro e oferecer um pouco mais do que os 251 litros disponíveis no porta-malas do europeu.

“As mudanças servirão para posicionar o carro no mesmo patamar de dimensões dos concorrentes”, explicou Gerson Barone, gerente-executivo de design da VW.

Divulgação

Desenho da traseira da versão brasileira será diferente da europeia (foto), que traz tampa toda de vidro e porta-malas pequeno

O grande rival do Up! será o Fiat Uno. Eles têm muitas coisas em comum, como o interior espartano. O VW traz bancos dianteiros inteiriços, painel com poucos botões e apoio de braço nas portas com acabamento em plástico rígido, mesmo padrão do compacto de origem italiana.

O motor 1.0 da versão avaliada é mais moderno que o EA-111 utilizado atualmente pela Volkswagen no Brasil. O novo propulsor promete menores níveis de consumo e já virá adaptado para funcionar com gasolina e etanol. E poderá ser acoplado a um turbocompressor, para oferecer potência superior a 100 cv.

O câmbio de cinco marchas do Up! tem engates precisos, o que ajuda na condução urbana. Porém, como todo 1.0, é preciso reduzir marchas e acelerar forte para subir ladeiras e fazer ultrapassagens.

Divulgação

Na Europa, painel pode vir pintado na cor do carro e com frisos cromados; navegador e volante esportivo também são opcionais

A Volkswagen não confirma se o carro será lançado no Brasil nessa configuração mecânica ou se usará o mesmo conjunto do Gol G6 (76 cv). O Up! decretará o fim do Gol G4 (R$ 25,1 mil), atual modelo de entrada da VW. A marca tem a ambição de transformar o novo compacto no carro mais vendido do Brasil.

Fonte: Folha de S. Paulo

Financiamento de veículos cai 5% no 1º bimestre

SÃO PAULO – Nos primeiros dois meses do ano, os financiamentos de veículos automotores apresentaram uma queda de 5% em relação ao mesmo período do ano passado, totalizando 1,03 milhão unidades. Somente no mês de fevereiro, o volume de financiamentos atingiu 460 mil unidades, segundo a Cetip.

Os financiamentos de veículos leves novos tiveram um aumento de 3% no primeiro bimestre de 2013, em relação ao mesmo período de 2012, atingindo 315,516 mil unidades. No mês passado, o volume de financiamentos atingiu 136,618 mil unidades.

Já os financiamentos de veículos leves usados tiveram uma queda de 2% em janeiro e fevereiro, atingindo 482,855 mil unidades. Em fevereiro, o volume de financiamentos atingiu 213,157 mil unidades.

Ainda de acordo com a empresa, no segmento de motos novas houve redução de 22% nos financiamentos no primeiro bimestre, atingindo 154,324 mil unidades. Em fevereiro, o volume de financiamentos foi de 73,389 mil unidades. Os financiamentos contemplam operações de crédito direto ao consumidor, arrendamento mercantil e consórcio.

Fonte: Estadão