Polícia recupera carga eletrodomésticos avaliada em R$ 150 mil reais

Uma carga de eletrodomésticos avaliada em R$ 150 mil foi recuperada, na noite desta quarta-feira (16), por policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) O condutor e o carona do caminhão foram presos em flagrante, além dos outros dois motoristas que escoltavam o veículo. 

Willis da Cunha Leal, 37 anos, Francisco Antônio Ferreira de Oliveira, 40, Ricardo Alves Magalhães, 43, e Rogério da Conceição, 32, foram surpreendidos pelos agentes no momento em que entravam em um galpão na Avenida Primavera, bairro Jardim Primavera, município de Duque de Caxias.

Segundo os agentes, a carga de eletrodomésticos foi roubada, pela manhã, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio. Após o recebimento da informação, os policiais realizaram diligências para recuperar o material e prender os autores e receptadores.

De acordo com o delegado Fábio Cardoso, titular da unidade, as investigações continuarão para verificar a existência de outros integrantes e a participação do quadrilha em outros roubos. Os criminosos responderão pelos crimes de receptação e quadrilha e os veículos, o caminhão e os dois carros da escolta, utilizados no crime, assim como outro automóvel encontrado no galpão, foram apreendidos.

 

Fonte: Jornal do Brasil

Anúncios

Aviação movimenta 1% do PIB no Brasil

A aviação brasileira movimenta por ano R$ 32 bilhões 

A aviação brasileira movimenta por ano R$ 32 bilhões ou o equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Isso é o que mostra um estudo inédito da Associação Internacional do Transporte Aéreo (da sigla em inglês Iata), obtido com exclusividade pelo Valor. O levantamento foi feito pela consultoria Oxford Economics, oriunda da conceituada universidade britânica Oxford.

O estudo encomendado pela Iata levou em conta dados do ano de 2009. Incluiu o faturamento de empresas aéreas, aeroportos e serviços em terra, entre outros. Também levou em conta a contribuição da cadeia de fornecedores do setor aéreo e seus empregados. No total, o setor aéreo emprega 684 mil pessoas no país.

Do total movimentado pela indústria aérea, R$ 13,3 bilhões são gerados pelas companhias aéreas, aeroportos e serviços terrestres. Mais R$ 11,5 bilhões são a contribuição da cadeia de fornecedores. Outros R$ 7,3 bilhões são provenientes de gastos dos funcionários do setor aéreo e de seus fornecedores. Segundo o levantamento, se fossem incluídos os R$ 9,9 bilhões gerados pelo turismo, a participação no PIB aumentaria para 1,3%.

“A aviação deveria estar na tela de radar do governo como uma indústria que promove valor, como um ativo estratégico”, diz o diretor geral da Iata, Tony Tyler. Ele participou ontem da abertura do Fórum de Líderes da Associação Latino-Americana do Transporte Aéreo (Alta), a congênere latina da Iata.

A América Latina, diz Tyler, tem mostrado neste ano um dos melhores desempenhos da aviação mundial. Em sua última divulgação de desempenho do setor, em setembro, a Iata mostra que a região teve a maior taxa de expansão, de 10,6% na comparação anual. No mundo, a média ficou em 5,6%. De janeiro a setembro, a América Latina acumula expansão de 10,9% no tráfego de passageiros – no mundo, é de 7,5%.

Para 2012, a Iata estima crescimento de 8,2% no tráfego de passageiros e carga, enquanto no mundo essa média está em 4,5%. Tyler revela que esses números serão revisados em dezembro, mas não deu detalhes se a revisão seria para cima ou para baixo. “A América Latina deve continuar como uma das regiões com o mais rápido crescimento em todo o mundo, assim como o Oriente Médio”, disse ele.

Apesar do bom desempenho da América Latina, especialmente do Brasil, Tyler mostrou preocupação com o modelo de concessão dos aeroportos no país. Ele criticou o fato de o governo brasileiro manter participação acionária nos aeroportos e ser o regulador desse setor, enquanto as companhias aéreas terão participação limitada a 1% nos consórcios que disputarão os leilões. “Isso cria um conflito de interesses”, afirmou.

Presente ao evento da Alta, o ministro da Secretaria Especial de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, defendeu a posição do governo. “O modelo (de concessão) foi muito bem equilibrado. A gente teve preocupação com todos os ângulos. Numa concessão, você hoje tem o monopólio no Brasil, 97% dos aeroportos são administrados pela Infraero. Após a concessão, 67% serão administrado pela Infraero e o resto pela iniciativa privada. Isso vai permitir mais competição, melhores práticas, mais investimento e diversificação”, disse Bittencourt.

 

Fonte: Valor Econômico

Alckmin anuncia melhorias em estradas de SP

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP), anunciou no último sábado, 12, durante passagem por cidades da região de Campinas, diversos planos de melhorias em estradas da área. A SP-095 (rodovia João Beira) será duplicada e a estrada vicinal Luiz Fávero será pavimentada. O investimento previsto é de R$ 116 milhões.

A estrada vicinal Luiz Fávero liga a cidade de Engenheiro Coelho à rodovia Professor Zeferino Vaz (SP-332) e terá R$ 1,5 milhão para obras. Já a rodovia João Beira, que liga Bragança Paulista a Jaguariúna, terá melhorias na região entre esta última e Amparo: está programada a duplicação da via, melhorias na pista já existente e execução de dispositivos de acesso e retorno.

Durante a passagem pela região, Alckmin também inaugurou a estrada vicinal Fioravante Carlotti, na cidade de Pedreira. A via liga o centro da cidade ao bairro Duas Pontes e tem 5,2 km de extensão. Foram investidos R$ 2,8 milhões.

Outra rodovia da região que passou por obras recentemente foi a estrada vicinal Felício Brunetto, em Amparo. Seus 3,1 km de extensão foram recuperados com investimento de R$ 1,5 milhão.

 

Fonte: Terra

Chilena LAN quer usar o Brasil como plataforma para voos internacionais

LAN e a TAM se preparam para dar início a uma atuação agressiva no mercado 

A chilena LAN e a TAM se preparam para dar início a uma atuação agressiva no mercado de voos internacionais a partir do Brasil, após a conclusão da fusão entre as duas empresas, esperada para o ano que vem. O plano das companhias é tentar canalizar os passageiros de cinco empresas do grupo LAN na América do Sul para o Brasil, transformando o País numa espécie de plataforma para rotas internacionais.

“Espero que avancemos muito no mercado internacional a partir do Brasil”, disse ontem o presidente e diretor de operações da LAN, Ignacio Cueto, após participar de encontro realizado pela Associação Latino-Americana de Transporte Aéreo (Alta), no Rio. “Houve um grande avanço das estrangeiras no Brasil a que nós vamos poder responder”, acrescentou.

Além do Chile, hoje a LAN tem operações de passageiros na Argentina, Peru, Equador e Colômbia. Ainda não há decisões sobre rotas e frequências futuras, pois, de acordo com Cueto, as companhias precisam ter acesso a dados comerciais uma da outra para fazer esse planejamento, o que, legalmente, só pode ocorrer após a fusão.

A TAM confirma que atuará mais agressivamente nesse segmento após a concretização da Latam – empresa que surgirá com união das operações. Com a entrada em vigor dos acordos de Céus Abertos com a Europa e os EUA – a partir de 2014 e 2015, respectivamente -, que acabarão com a limitação a número de voos e escolhas de destinos entre o Brasil e essas regiões, a empresa espera estar fortalecida na Latam para bater de frente com gigantes internacionais.

O interesse das estrangeiras – e agora da Latam – tem uma explicação. O mercado brasileiro é um dos que mais cresce no mundo, com taxas de expansão de dois dígitos. Em 2010, só nas rotas internacionais operadas por empresas brasileiras, a demanda saltou 17,6% ante 2009, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Este ano, até setembro, a alta acumulada, na comparação com igual período de 2010, é de cerca de 14%.

“Como é que vamos brigar com esse povo todo que vai vir para cá? Todo mundo quer voar para o Brasil. Então, nos unimos à LAN e juntos temos 300 aviões”, disse o presidente da holding TAM, Marco Antonio Bologna. Além disso, as duas empresas têm mais 250 encomendas de aviões.

Segundo o último anuário da Anac, as aéreas estrangeiras foram responsáveis por 70% da movimentação entre o Brasil e os EUA e por 77% nas rotas para a Europa no ano passado. Com o ganho de escala obtido com a fusão, a TAM espera estar mais fortalecida para tentar reverter o avanço das estrangeiras no Brasil. A disputa, porém deve ser acirrada. O executivo lembrou que só a americana United Continental tem cerca de 700 aviões.

Cade. A expectativa de Cueto é de que a decisão do Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade) sobre a fusão, uma das pendências do processo, saia ainda este ano. Se tudo correr conforme esperam as empresas, a fusão deve estar concretizada até o fim de março ou início de abril do ano que vem.

TAM e LAN também esperam a fusão para decidir em que aliança global de companhias vão permanecer. Hoje, a aérea brasileira integra a StarAlliance, da qual também fazem parte a alemã Lufthansa e a portuguesa TAP. Já a LAN é membro da OneWorld, ao lado de American Airlines, British Airways e Iberia.

Embora o Tribunal de Defesa da Livre Concorrência do Chile (TDLC) tenha dado o prazo de dois anos após a fusão para a escolha da aliança, as empresas devem fechar uma posição ainda no primeiro trimestre de 2012.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

Minas Gerais recebe franquia da Link Monitoramento

A capital de Minas Gerais se prepara para receber uma nova franquia da Link Monitoramento, empresa paranaense especializada em rastreamento e monitoramento de veículos, pessoas e objetos.

Em Belo Horizonte a franquia será administrada pelo empresário Hudson Costa, que escolheu a região ao perceber a carência de um serviço desse gênero na capital mineira. “Pretendo trabalhar com associações de proteção veicular, transportadoras e locadoras de veículo, pois sei que essas empresas ainda não possuem um sistema de monitoramento eficaz por aqui”, explica Costa. O empresário, que antes de investir em uma franquia da Link atuava como engenheiro civil, conta que se interessou pela empresa assim que a primeira unidade foi inaugurada. “Logo que eu soube dos serviços da Link pensei em instalar o monitoramento no meu carro e gostei da ideia de investir neste segmento”, conta.

Carros, motos, frotas, caminhões, embarcações, bens e objetos de valor; encomendas por correio ou transportadora; tratores ou outros veículos estão no expertise de rastreamento da Link, que oferece produtos com as tecnologias GSM / GPRS e GPS. “Com a Link é possível saber onde objeto rastreado está em um determinado momento; limitar o espaço onde pode circular, por meio de rotas pré-estabelecidas ou cerca eletrônica; definir limites de velocidade; calcular distâncias percorridas e informar o cliente de três em três minutos sobre o que está sendo monitorado”, explica Sílvio Torres, presidente da franqueadora.

O contato da franquia pode ser feito pelo site www.linkmonitoramento.com.br.

Por todo o país

Criada em junho de 2009, hoje a Link Monitoramento possui sede em Curitiba e mais de 50 franquias espalhadas pelos Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia, Ceará, Mato Grasso, Goiás, Minas Gerais, Amazonas e Distrito Federal.

“Com a abertura de franquias e a descentralização das operações, os franqueados e os nossos clientes só têm a ganhar. A presença da empresa em diversas regiões reflete-se na eficiência dos serviços prestados, com a assistência técnica pontual realizada por funcionários próprios, treinados, qualificados e comprometidos com o cliente”, detalha Sílvio Torres.

A Link Monitoramento é considerada a primeira empresa do ramo a conquistar o selo da Associação Brasileira de Franchising (ABF) neste segmento.

 

Fonte: Paranashop

Polícia de SP prende integrantes de quadrilha de desmanches que “mudou” da capital para o interior

De acordo com delegado, criminosos trocaram de cidade após ação policial

A Polícia Civil investiga a “mudança” de uma quadrilha de roubo de cargas e caminhões da cidade de São Paulo para o interior do Estado. Integrantes da 3ª Divecar (Delegacia de Repressão a Desmanches Ilegais) do Deic (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado) detectaram a transferência das operações da quadrilha.

As informações sobre a nova estratégia da quadrilha permitiram aos policiais descobrir, nesta quinta-feira (17), uma das bases do grupo, na cidade de Santa Bárbara d’Oeste. No local foram encontradas 4.200 latas de cerveja que haviam sido roubadas durante o ataque a uma carreta, em Assis. O veículo estava estacionado próximo ao imóvel. Três pessoas foram presas.

De acordo com o delegado Marcelo Bianchi, a polícia intensificou o combate a esse crime na capital, o que pode ter motivado a mudança de estratégia.

– A reação das quadrilhas foi deixar a capital e continuar agindo em municípios do interior. O desmanche acontece nessas regiões e as peças são trazidas para o comércio ilegal na cidade de São Paulo.

De acordo com ele, o caminhão é deixado próximo ao imóvel para “esfriar, ou seja, verificar se não existia algum tipo de localizador”.

Os suspeitos, o caminhão e a mercadoria roubada apreendida seriam trazido à São Paulo, onde será registrado boletim de ocorrência na delegacia especializada.

 

Fonte: R7